LETRAS . TRADUÇÕES . REVISTAS

       
 

Se inscreva para receber novidades

* indicates required

Powered by MailChimp

Textual description of firstImageUrl

[Conheçam Cover] Wicked Girls

Olá a todos!! Como estão!?

Vamos então para mais uma entrevista com grupos cover! A partir de agora a coluna será quinzenal, pois temos tido bastante procura! E como o objetivo é apresentar grupos cover desse nosso grande país, ficamos muito felizes em ver quanto há e o quão esforçados e profissionais são!

Lembrando que quem quiser, é só entrar em contato conosco pela Page do Facebook ou por e-mail.


Sem dúvidas as meninas são as que mais investem em grupos de dança! Como segundo grupo do mês de abril temos o grupo "Wicked Girls", vindas de Curitiba, Paraná. Estreando então um estado diferente em nossa coluna! <3

Formado por 7 meninas, o que me chamou atenção foi que elas fazem coreografias masculinas com muita graça e feminilidade! No vídeo cover que vocês verão no fim da entrevista vocês também vão ver que elas utilizaram a câmera não de maneira estática como na maioria dos covers, o que é um diferencial. A identidade visual também ficou muito boa, com todas conseguindo manter uma harmonia nos figurinos, cabelos, maquiagem, o que é não é fácil em grupos assim grandes!

Eu adorei elas, que tal então conhecerem um pouquinho mais!? <3

Hani
Nome: Rayane dos Santos 
Idade: 17 anos 
Signo: Áries 
Hobbie: Ler, dançar, desenhar. 
Instagram: @ohani_ah 
Facebook: Rayane Santos

Liee 
Nome: Ana Gabriele 
Idade: 17 anos 
Signo: Libra 
Hobbie: Dançar, ler, cantar. 
Instagram: @thepanwoo 
Facebook: Ana Gabi.

Lari
Nome: Larissa Kaory
Idade: 18 anos 
Signo: Áries 
Hobbie: Dançar, esgrima. 
Instagram: @kaoryjapa 
Facebook: Larissa Kaory. 

Memi
Nome: Thais Memi Arimori 
Idade: 15 anos 
Signo: Peixes 
Hobbie: Dançar. 
Instagram: @thsmemi 
Facebook: Thais Memi. 

Thata
Nome: Thais Marcelino
Idade: 16 anos 
Signo: Touro 
Hobbie: Dançar. 
Instagram: @t.mards 
Facebook: Thais Marcelino. 

Juuh
Nome: Juliana Cordeiro
Idade: 20 anos
Signo: Gêmeos
Hobbie: Cozinhar Emoticón heart
Instagram: @c_jujubs
Facebook: Juliana Cordeiro
 

Therumi
Nome: Theandra Padilha
Idade: 24 anos
Signo: Aquário
Hobbie: Dançar, ler.
Instagram: @therumikimi
Facebook: Theandra Padilha. 


1. Como que surgiu a vontade de montar um grupo cover? 

Hani: Sempre gostei e me interessei por dança, ainda mais depois de ver coisas sobre KPOP, o que só me fez ter vontade ainda mais de montar um grupo de dança cover. 
Liee: Dançar sozinha sempre me pareceu um tanto vazio. Não era ruim, porém faltava algo, e porque não um grupo para complementar isso? A interação, a amizade, os desafios, isso tudo nos dá o impulso necessário para se montar um grupo cover.

2. Qual o motivo da escolha do nome do grupo, o que significa? 

Hani: O motivo foi ele ser um nome que não é comum, e ter um significado bom. "Wicked" significa "má/malvado(a)", e também tem o "girls", supondo que somente meninas façam parte do grupo. 
Liee: É uma história até engraçada, pois naquele dia ficamos horas e horas procurando por um nome, e foi cada nome que inventamos. Wicked foi quase jogado em nosso rosto pelo adorável Google.

3. Quando começou o gosto pela música asiática? 

Hani: Começou por um acaso, estava vendo vídeos de dança pelo YouTube, e me deparei com um canal de dance cover. Procurei mais a fundo e comecei a ver as origens e afins. 
Liee: Em 2010, vendo Girls Generation e Super Junior por indicação de minha irmã. 
Lari: Se não me engano foi em 2010, minha tia me mostrou uns MV's do BIG BANG, e eu realmente me apaixonei. 
Memi: Eu estava assistindo um programa na TV, e vi um vídeo do MBLAQ, gostei, pesquisei mais sobre eles e acabei descobrindo diversos outros grupos. 
Thais: Final de 2010, quando minha prima me mostrou Super Junior. 
Juuh: Em 2007. Eu comecei a conhecer melhor a cultura japonesa, a partir do interesse por mangás e animes. Na sequencia, através da indicação de uma amiga, conheci o KPOP. A música que me conquistou foi LÁ-LÁ-LÁ do BIG BANG. 
Therumi: Foi em 2007, quando uma amiga mostrou o MV do BIG BANG ft 2NE1 - Lollipop. Assim, fui atrás de outros grupos.


4. Quais cantores/grupos favoritos de vocês? 

Hani: Mad Clown, Hyuna, B1A4, Infinite, GFriend, EXO, VIXX, BTS. 
Liee: Super Junior, EXO, VIXX, BTS, SHINee, SNSD, AOA, GOT7, Infinite. 
Lari: BIG BANG, GOT7, Infinite, BTS, TeamH, 2NE1. 
 Memi: BTS, B.A.P, Infinite. 
Thais: Super Junior, BTS, B.A.P, MBLAQ, Infinite, VIXX, K.Will. 
Juuh: BIG BANG, DBSK, 2NE1. 
Therumi: BIG BANG, Super Junior, 2PM, 2NE1, 4Minute, BTS.

5. Qual o estilo (ou artista) que gostam mais de dançar? 

Liee: Em geral, gostamos de boyband. 
Lari: Gosto das coreografias masculinas, mas tem várias coreografias femininas que me atraem, como Girl's Day, AOA, 2NE1 e Kara.

6. Qual a sensação de apresentar em público? A primeira vez foi muito difícil? 

Hani: Poder divulgar um trabalho que você se empenha para ficar bom, é ótima a sensação. 
Liee: A sensação é ótima, é algo que simplesmente não dá pra descrever. Só quem sente, sabe o quão bom é estar em público. Mostrar aquilo que você ama fazer. Difícil sempre é, porém.. o nervosismo não nos atrapalhou.
Lari: Foi super divertido, a sensação das pessoas olharem pra você, aplaudir, sorrir e gritar é realmente incrível. Me fazendo querer me apresentar mais e mais vezes com o Wicked. Na primeira apresentação eu fiquei bem nervosa, mas uns dias antes todas ensaiaram muito, então foi tranquilo. 
Memi: Uma das melhores sensações do mundo. A primeira vez foi um pouco complicado pelo nervosismo antes de encarar o público, mas depois que comecei a dançar, foi maravilhoso.
Thais: Quando eu me apresentei pela primeira vez, eu não estava no Wicked, e foi um desastre. Deu branco, eu simplesmente esqueci até meu nome, eu só me perguntava "o que eu estou fazendo aqui?" e "quero sair desse palco". Mas a primeira apresentação com as meninas foi boa até, alguns errinhos, mas nada se compara a primeira vez. 
Juuh: Nervosismo/felicidade. Desde a primeira apresentação há essa transição: no início vem o nervosismo por fazer algo diante de tantas pessoas, mas logo depois a vergonha passa e vem a felicidade, como é algo que eu gosto, se torna divertido. 
Therumi: Sempre fico nervosa até subir no palco, não importa quantas vezes isso tenha acontecido. Assim que a música começa, o nervosismo passa.

7. Qual a rotina de ensaio? 

Therumi: Os ensaios ocorrem apenas nos final de semana.


8. Como escolhem o figurino? 

Hani: Escolhemos a partir do conceito do comeback do grupo que vamos fazer cover. Vendo lives, ou até mesmo roupas que aparecem no MV.

9. O que acham que a música asiática tem de diferente? 

Hani: Transmitem uma emoção, sendo feliz ou até mesmo triste. Além de serem viciantes as letras e melodias. 
Liee: As letras, melodias, os MV's são todos animadores e estimulantes, nos fazem querer mais e mais daquilo. Em poucas palavras, é viciante. 
Lari: É difícil explicar, a música asiática é muito atrativa em vários aspectos, como os MV's emocionantes e cheios de cores, a música em si, as roupas e os próprios cantores, é claro. 
Memi: Além da grande produção dos vídeos, o esforço dos artistas, podemos encontrar estilos diferentes em cada música, o que atrai fãs de vários estilos. 
Thais: Tirando a língua em que eles falam, eu acho que a letra e batidas delas são diferentes do pop americano. 
Therumi: Produção, coreografia, letras com forte significado.

10. Escutam músicas não asiáticas? Quais? 

Hani: Panic! At The Disco, Link Park. Liee: My Chemical Romance, Panic! At The Disco, 30 Seconds To Mars, The Neighbourhood, Beyoncé, Melanie Martinez, Snowmine, Sia, Muse. Lari: Falling In Riverse, músicas pop em geral. Memi: Beyoncé, Dumbfoundead, Troye Sivan, entre outros. Thais: Amo Issues, The Cab, All Time Low, A Day To Remember, Panic! At The Disco, Shawn Mendes, Chris Brown, Nickelback, e confesso que eu gosto de Justin Bieber. Juuh: Recentemente ando ouvindo Arctic Monkeys. Não paro de ouvir. Therumi: Beyoncé, Rihanna, Demi Lovato, Sia, Justin Bieber.

           

Share on Google Plus

About Yel Dolly

Fã de Jpop, KPop e Mandopop, cujo desejo sempre foi o de divulgar a música asiática e possibilitar que seus fãs tivessem acesso a traduções.